Novas orientações da Diocese de Erexim


Orientações da Diocese de Erexim em relação ao “Coronavírus – Covid 19” a partir de 02 de abril

Em sintonia com indicações da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, da Sagrada Congregação para o Culto Divino e os Sacramentos, de Arquidioceses e Dioceses do Brasil e, como propõe recente nota de entidades do Brasil, com as recomendações da ciência, das autoridades e profissionais da saúde e a experiência internacional, a Diocese de Erexim, por seu Administrador com o Colégio de Consultores, promulga as seguintes orientações a vigorarem a partir deste dia 02 de abril por tempo indeterminado:

- continuar seguindo rigorosamente as ações de prevenção indicadas pelas autoridades da saúde, com a quarentena na forma indicada por elas ou por outras;

- manter suspensas as missas e as celebrações da Palavra de Deus com a presença de fiéis. Os presbíteros, porém, celebrem, diariamente, a Santa Missa, de forma privativa, com a participação apenas de pessoas para a liturgia da Palavra e preces, em favor do Povo de Deus, incluindo a oração especial do Missal Romano “em qualquer necessidade” A e B, com transmissão, onde possível, pelos meios de comunicação para os fiéis poderem estar sintonizados em oração e viverem a comunhão espiritual;

- continuar com a suspensão da realização de eventos formativos, assistenciais e outras atividades programadas pelas diversas pastorais, comissões e movimentos eclesiais (grupos de oração, reuniões, cursos, palestras, retiros), incluídos os encontros periódicos com catequizandos; dos eventos nos salões paroquiais e comunitários – festas dos padroeiros, almoços, jantares, promoções sociais de qualquer tipo;

- realizar funerais e exéquias com poucas pessoas, de preferência ao ar livre, no próprio cemitério, observando os cuidados profiláticos recomendados;

- deixar as igrejas de portas abertas, se não houver determinação em contrário pelas autoridades, em horário mais conveniente, higienizadas e bem arejadas, com disponibilização de álcool em gel, para a oração pessoal frequente dos fiéis; onde possível, colocar em destaque imagem de Nossa Senhora para especial veneração e para a súplica de intercessão pela saúde de todos;

- procurar, da parte dos presbíteros, dedicar mais tempo para atender os fiéis por telefone ou redes sociais, pois muitos paroquianos podem precisar de conforto, serenidade e palavras de fé e esperança para vencer o medo e a depressão; também para a confissão, aconselhamento e bênção na igreja, com os cuidados indicados para esta situação;

- prosseguir com as secretarias paroquiais fechadas, com expediente interno e as capelinhas sem circulação pelas famílias;

- recomendar a todas as famílias momento diário de oração, de retomada das verdades da fé cristã, com leitura orante da Palavra de Deus, recitação do terço ou ao menos uma dezena dele pedindo a intercessão da Virgem Maria em favor da vida, dom e compromisso, que deve ser cuidada, defendida e promovida deste a concepção até seu fim natural, conforme propõe a Campanha da Fraternidade deste ano;

- renovar a solicitação de atenção e cuidado às necessidades de vizinhos com doentes ou que venham a ter pessoas em quarentena por causa do Coronavírus.

Em relação à Semana Santa (com sugestões da CNNB, lembrando roteiro de oração sugerido pela Diocese) :

- Domingo de Ramos: cada família colocar no espaço de sua oração e no portão ou na porta de casa (em lugar bem visível) alguns ramos e/ou palmas, como sinal de nossa aclamação e seguimento a Cristo - marcar a casa é uma característica do povo de Deus; na missa, mesmo que privativa, o padre invocará a bênção sobre os ramos, estendida aos das casas de sua paróquia; a coleta da solidariedade (da Campanha da Fraternidade) será feita em data a ser fixada pela CNBB, mas desde logo dispor-se a participar dela ativamente;

- missa do crisma: será no dia 08, quarta-feira, às 20h, na Catedral São José, pelo Arcebispo de Passo Fundo, Dom Rodolfo Luís Weber, com um padre de cada Área Pastoral, Administrador, Coordenador da Cúria Diocesana e de Pastoral, com transmissão por Rádios e outros meios; Os outros padres, possivelmente acompanhando esta celebração, renovem pessoalmente os compromissos da ordenação presbiteral, conforme o Missal, páginas 235-237;

- Quinta-feira Santa (09/4/2020, à noite): cada família tenha em seu momento de oração uma bacia e toalha lembrando o gesto de Cristo de lavar os pés dos discípulos e que recorda o compromisso social da Eucaristia que Ele instituiu na última Ceia, quando nos deu também o Sacerdócio e o mandamento novo do amor. Na missa privativa, omite-se o lava-pés e o Santíssimo Sacramento é mantido no tabernáculo. Todos os padres têm a faculdade de celebrar em local adequado, mas privativamente;

- Sexta-feira Santa (10/4/2020, às 15h): cada família coloque em lugar de destaque a cruz. Na solene Paixão do Senhor, privativamente, o beijo à cruz é limitado a quem preside. Para a oração universal, a Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da CNBB sugere acrescentar uma intenção pelos que padecem pela pandemia do Covid-19; A coleta para os Lugares Santos será adiada, com data a ser estabelecida pela CNBB;

- Vigília Pascal (sábado santo, 11/4/2020, após o cair do sol): Cada família providencie para o lugar de sua oração uma vela, recordando o Círio Pascal, grande símbolo do Cristo Ressuscitado, e copo com água, sobre a qual o padre estenderá a invocação da bênção que fará na liturgia batismal com renovação das promessas batismais; omite-se a bênção do fogo; prepara-se e acende-se o Círio e, omitindo-se a procissão, passa-se para o anúncio da Páscoa (Exsultet), Liturgia da Palavra, do Batismo e da Eucaristia;

- Na solenidade da Páscoa na Ressurreição do Senhor (12/4/2020): cada família acenda a vela da vigília pascal em seu momento de oração, de preferência acompanhando a transmissão de missa pelos meios de comunicação social.

Por fim, a Diocese observa novamente que a situação é muito propícia para a reflexão profunda sobre as limitações e sobre a interdependência da vida humana. Dependemos do cuidado mútuo. É bom também lembrar situações permanentes que ameaçam a vida e a dignidade de muitas pessoas, como nos propõe a Campanha da Fraternidade deste ano sobre a “vida, dom e compromisso, com o lema “viu, sentiu compaixão e cuidou dele”. É também oportunidade de reconstruirmos a esperança, promovermos a solidariedade e intensificarmos nossa oração a Deus pelos que foram ou vierem a ser atingidos pelo vírus, pelos agentes de saúde, médicos, enfermeiros e outros e por vida saudável para todos, por intercessão de Nossa Senhora da Saúde, de São José, padroeiro da Diocese e de Santa Dulce dos Pobres, o Anjo bom do Brasil.

Ao mesmo tempo, o Colégio de Consultores, a coordenação de pastoral e a cúria diocesana desejam que a alegria da Páscoa seja abundante e permanente para todos, na defesa e na promoção da “vida, dom e compromisso”, com “relações de mútuo cuidado entre as pessoas na família, na comunidade, na sociedade e na Casa Comum”, sob a proteção da Mãe do Ressuscitado.

Erechim, 02 de abril de 2020.

Pe. Antonio Valentini Neto – Administrador Diocesano.

13 visualizações0 comentário