A Voz da Diocese


Diocese de Erexim: peregrinos na história

Saudamos todos os irmãos e irmãs que estão em sintonia com a Voz da Diocese, num clima de alegria, paz e gratidão por ocasião de nossa 70ª Romaria ao Santuário Diocesano Nossa Senhora do Rosário de Fátima e o encerramento de nosso ano jubilar: ”50 anos à serviço da fé e da vida”.

Irmãos e Irmãs: Somos todos Peregrinos – Somos todos Romeiros.

Romaria é uma peregrinação de um devoto a um lugar considerado sagrado para expressar sua fé e devoção. Por isso, estamos todos aqui como devotos que acorremos ao nosso santuário para manifestar nossa confiança na intercessão de Maria sob o título de Nossa Senhora do Rosário de Fátima.

Ser peregrino ou ser romeiro é seguir um caminho que não consiste em percorrer distancias físicas, mas sim fazer um caminho interior que nos convida a ter um olhar voltado para a nossa vida, a nossa história. É olhar o passado e o presente e vislumbrar um futuro de nossa existência. Ao fazermos isso nos deparamos com a nossa realidade, descobrindo nossas dores, angústias e fragilidades; acolhemos nossas alegrias e nossas conquistas. Descobrimos os inúmeros benefícios recebidos de Deus e também ainda nossas necessidades humanas e espirituais. Ser peregrino é ter um olhar para dentro de nós mesmos onde aprendemos a agradecer e a pedir.

Caríssimos irmãos e irmãs: romeiros (as), peregrinos: Estamos aqui nesta condição: muitos para agradecer a Deus, graças recebidas pela intercessão de Nossa Senhora e muitos para manifestar sua confiança e fazer suas súplicas frente as mais diversas situações em que se encontra na vida. O mais importante é saber que Deus nos ama e nunca se esquece de nós. Que nos deu Maria por mãe. Uma mãe que está sempre atenta às nossas necessidades. Uma mãe intercessora. Uma mãe que tem seu olhar voltado para a condição da nossa humanidade.

Em Fátima, Maria pedia orações, sacrifícios e reparações das ofensas ao seu Imaculado Coração e o Sagrado Coração de seu Filho Jesus.

A mensagem de Fátima continua seu convite a nós e a todos (as) àqueles e aquelas que estão distante de Deus, de seu amor e que tomados pelas guerras modernas: da pandemia do Coronavirus, da violência nas famílias, nas ruas, das divisões políticas e sociais e tantas outras que assolam nossa casa comum, precisamos da força que vem da Mãe que ainda nos pede: uma fé viva, um compromisso maior e um testemunho de vida cristã; a promoção da paz e da esperança.

Com esse espírito, como filhos e filhas, aprendamos a buscar no colo da mãe o aconchego nas horas de nossas angústias, dores e sofrimentos, mas também aprendamos a nos colocar nos braços da mãe para retribuir com o coração agradecido, o carinho que dela recebemos todos os dias de nossa vida.

Hoje ainda, voltamos nosso pensamento para esta Diocese que encerra este ano jubilar que foi um tempo da graça do Senhor. Nele voltamos nosso pensamento para a história construída, abrimos nosso coração para agradecer e firmamos nossos passos rumo a um futuro a ser construído.

Prezado povo de Deus. Aproveito este momento também para recordar nossa história diocesana, neste encerramento do jubileu de ouro e dizer, em nome da Diocese de Erexim, que somos gratos a todos e todas que não esmoreceram diante das dificuldades e dos problemas para construir esta Igreja Particular e manter sua vivacidade pastoral, espiritual e administrativa ao longo deste tempo. Somos gratos aos pastores que nos antecederam (Dom João; Dom Girônimo e Dom José) bem como somos gratos aos padres, diáconos, consagrados e consagradas e particularmente à força viva de nossa Igreja, expressa hoje nas coordenações de pastorais e movimentos e todo o povo de Deus presente em nossa Igreja Diocesana. Quero manifestar minha gratidão pela equipe de coordenação do Programa do Ano Jubilar que não mediram esforços para organizar as atividades e celebrações desde 1º de agosto de 2020 até esta data de 10 de outubro de 2021. Mais de um ano resgatando nossa história, apesar da pandemia. Sintam-se todos abraçados com carinho, apreço e sinceros agradecimentos. O ano Jubilar foi um tempo da graça do Senhor. Como diz o hino do Jubileu, composto pelo Pe. José Carlos Sala:

“É tempo de graças, Senhor, (cf. Lc 4,19) é tempo de glória e louvor! Igreja diocesana que celebra sua história percorrida: ‘50 anos de fé e vida!’

Que Maria, Mãe da Igreja, a Senhora do Rosário de Fátima e São José, nosso padroeiro, nos ensine a caminhar no amor, na fidelidade a Jesus, no amor ao próximo, a ser “sal da terra e luz do mundo” formar cada vez mais, uma Igreja de comunhão e participação; onde valorizarmos ainda mais nossas famílias inseridas no serviço desta Igreja Diocesana construída há 50 anos, se dedicando sempre no serviço da fé e da vida. Com um olhar para o futuro, continuemos exclamando: “Caminha conosco, Senhor” e motivados a viver: “Com Jesus, Maria e José, caminhar na esperança”.

Com o coração confiante, aberto e silencioso, como peregrinos em nossa história, recorremos à Maria Santíssima, a Mãe de Jesus, para repetir: Nossa Senhora do Rosário de Fátima, rogai por nós! Amém!

Dom Adimir Antonio Mazali - Bispo Diocesano de Erexim – RS

5 visualizações0 comentário