A Voz da Diocese


“Segura na mão de Deus e vai”

Caríssimos irmãos e irmãs que nos acompanham na Voz da Diocese, nossa saudação carinhosa no espírito jubilar de nossa Diocese: “50 anos a serviço da fé e da vida”.

Celebrando o 12º Domingo do Tempo Comum, queremos refletir sobre a presença de Deus em nossa vida, especialmente em tempos de dificuldades. Acima de tudo, renovar nossa confiança na força que Ele nos oferece, pois temos a tentação de, nesses momentos, deixarmos de lado nossa fé, nos sentindo abandonados e sozinhos. Sentimento que toma conta de nós, particularmente neste tempo de pandemia.

A primeira leitura do Livro de Jó que, em meio aos seus sofrimentos, suplica uma resposta de Deus, pois grande é sua dor. Mas mesmo assim nos dá uma lição de confiança no Senhor e nos motiva a não vacilarmos na fé e no poder de Deus que em vários momentos de sua vida mostrou-se sempre ao seu lado. O breve texto mostra a resposta de Deus a Jó e revela o seu projeto para a vida do mundo. Um projeto que ultrapassa a nossa compreensão. Só reconhecendo a bondade de Deus como Jó, com o salmista podemos dizer: “Dai graças ao Senhor, porque ele é bom, porque eterna é a sua misericórdia”.

Como Jó e como os discípulos de Jesus, somos atribulados de todos os lados e abatidos por forças negativas que, como tempestades tendem a nos conduzir ao naufrágio, especialmente quando navegamos em água mais profundas da nossa missão. Como os discípulos, no relato do Evangelho de hoje, diante das intempéries da vida, somos tomados pelos temores e gritamos: “Mestre, estamos perecendo e tu não te importas?” Esmorecemos na fé e sentimos medo. Mas da mesma forma como disse aos discípulos, Jesus continua a nos dizer: “Por que sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?” Desperta-nos mais uma vez para a confiança na sua presença que nunca nos abandona. Jesus acalmou o mar com tamanha autoridade que até os discípulos ficaram impressionados. Grande é o poder de Jesus. Peçamos que Ele acalme as turbulências de nossa vida com sua autoridade e nos anime nas travessias do mar de nossa vida.

Caríssimos irmãos e irmãs! A mão de Deus está sempre estendida para nos socorrer. É preciso sabermos estender a nossa mão com confiança N’Ele. Muito propício para iluminar esta reflexão é o canto: “Segura na mão de Deus e vai”.

“Se as águas do mar da vida quiserem te afogar, segura na mão de Deus e vai; Se as tristezas desta vida, quiserem te sufocar, segura na mão de Deus e vai. Segura na mão de Deus, segura na mão de Deus; pois ela, ela te sustentará; não temas segue adiante, e não olhes para trás. Segura na mão de Deus e vai”.

Queremos, prezados irmãos e irmãs, trazer presente ainda que celebramos neste dia 20, o dia do Migrante e do Refugiado. Pessoas que vão em busca de melhores condições de vida e nem sempre encontram acolhimento. Lembremos as palavras de São Paulo na Carta aos Coríntios: “Cristo morreu por todos, para que os vivos não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou”. Com isso, renova a vida: “Portanto, se alguém está em Cristo, é uma nova criatura. O mundo velho desapareceu. Tudo agora é novo”. Novos devem ser a nossa fé e nosso coração enraizado no amor de Cristo, solidário com os migrantes e refugiados, a fim de que também eles possam vencer os “ventos contrários” e alcancem uma vida digna.

Seguremos na mão de Deus e solidariamente seguremos a mão de nossos irmãos e irmãs migrantes e refugiados para que nossa caminhada nesta vida seja fortalecida no amor, na fé, no acolhimento e na esperança de alcançarmos o outro lado na travessia do mar de nossa existência. Amém!


Dom Adimir Antonio Mazali

Bispo Diocesano de Erexim – RS

7 visualizações0 comentário