A Voz da Diocese

Atualizado: 30 de Out de 2020


COMEMORAÇÃO DOS FIÉIS DEFUNTOS:

ESPERANÇA DA VIDA CRISTÃ

Prezados irmãos e irmãs: Uma vez mais saudamos a todos os que nos acompanham neste momento, Voz da Diocese.

Na liturgia deste domingo dia 1º de novembro, a Igreja nos convida a celebrarmos a Solenidade de Todos os Santos e Santas, nossos intercessores junto de Deus e modelos de vida cristã. Mas no contexto da pandemia do Coronavirus, é oportuno refletir sobre a comemoração de finados, nesta segunda-feira, dia 02 de novembro. Deixo, então, o tema da santidade para o próximo domingo.

Recordamos com carinho e amor nossos entes queridos que, já tendo cumprido sua missão, partiram para a casa do Pai. Este dia não é para chorar pelos mortos, embora humanamente, às vezes seja difícil conter as lágrimas quando se recorda os momentos vividos na família, no trabalho, na comunidade.

Impossível, neste ano, não sentir a dor profunda de tantos que, em meio à pandemia, não puderam sequer despedir-se dignamente de um pai, de uma mãe, de um esposo ou esposa, de um filho, de um irmão, de um amigo. Não podemos negar este sentimento que tem marcado a vida ao nosso redor.

Mas em Jesus Cristo vivemos a esperança na ressurreição. Como noz diz o prefácio da liturgia, “... aos que a certeza da morte entristece, a promessa da imortalidade consola”. E segue: “Senhor, para os que creem em vós, a vida não é tirada, mas transformada”. Esta é a nossa certeza.

Caríssimos irmãos e irmãs, ao participar da celebração em sufrágio dos mortos, duas coisas devem nos mover interiormente: reconhecer a bela história construída, às vezes com muito sacrifício, mas com dedicação por tantos que já deixaram nosso convívio, agradecendo o dom de suas vidas. De outro lado, Jesus nos convida a estarmos vigilantes para vivermos em seu seguimento e de acordo com seus ensinamentos a fim de alcançar n’Ele a graça da ressurreição.

Lembramos ditados populares escritos em muitos cemitérios que nos alertam para o valor e a brevidade da vida: “Nós fomos o que tu és e vós sereis o que nós somos”. “Tu és pós e ao pós hás de tornar”. Alimentemos nosso compromisso com a vida e a nossa esperança cristã sendo solidários com os sofredores.

Em meio à pandemia, cuidemos mais de nossa vida e de nossos irmãos, seguindo as orientações sanitárias para que não abreviemos ainda mais esta vida que o Senhor nos deu e rezemos: “Ó Deus, escutai com bondade as nossas preces e aumentai a nossa fé no Cristo ressuscitado, para que seja mais viva a nossa esperança na ressurreição dos vossos filhos e filhas”. Amém!

Dom Adimir Antonio Mazali

Bispo Diocesano de Erexim

1 visualização0 comentário